Monografia de final de curso de graduação

Introdução
=======

O que é a monografia de final de curso de graduação?

A monografia de final de curso, ou simplesmente monografia, é um trabalho escrito, ou seja, um texto, com formato científico, em nível de graduação, elaborado individualmente pelo aluno e sob a supervisão de um professor-orientador. No período de tempo que compreende a escrita da monografia, o aluno terá a oportunidade de desenvolver uma habilidade que lhe será útil em toda sua vida profissional, que é a elaboração de trabalhos científicos, tais como projetos de pesquisa, dissertação de mestrado, tese de doutorado, artigos científicos, etc.

No currículo do curso de Física há duas disciplinas sobre esse assunto. Essas disciplinas têm algo a ver com a elaboração da monografia?

Sim. A monografia deverá ser proposta e elaborada no âmbito das disciplinas Monografia I e Monografia II. Estas disciplinas devem ser cursadas preferencialmente no 7º e 8º períodos do Bacharelado e no 9º e 10º períodos da Licenciatura.

Para que servem as disciplinas Monografia I e Monografia II?

Essas disciplinas foram criadas para disponibilizar o tempo semanal necessário para que o aluno possa se dedicar aos trabalhos de elaboração do projeto de monografia e da escrita da monografia propriamente dita. Ou seja, é um tempo que irá permitir ao aluno disciplinar a evolução do trabalho. Esse tempo também poderá ser usado para as reuniões semanais entre orientador e orientando.

Então não há aulas de monografia?

Não. Como foi dito acima, o tempo referente à carga horária das disciplinas Monografia I (30 horas) e Monografia II (60 horas para o Bacharelado e 45 horas para a Licenciatura) deve ser usado para buscar, selecionar e ler as referências bibliográficas mais importantes (artigos científicos, livros, etc.), discutir os diversos aspectos do trabalho com seu orientador e escrever o trabalho.

Existe regulamento escrito sobre a monografia?

Sim. O Regulamento da Monografia faz parte do Projeto Pedagógico de Curso (PPC) de Física e está disponível na página do COLFIS. Além disso, este “Perguntas frequentes” foi elaborado com o objetivo de expressar a interpretação dada pelos membros do Núcleo Docente Estruturante do curso de Física (NDE) sobre quais sejam as características e os limites compreendidos na elaboração da monografia.

Onde posso encontrar mais informações sobre esse Núcleo Docente Estruturante?

Consulte as “Perguntas frequentes” sobre o NDE.

Chegou a hora de preparar minha monografia e acho que estou meio perdido. Por onde devo começar?

Para ser bem direto, há três etapas fundamentais que devem ser cumpridas para que o aluno tome o rumo certo no processo de elaboração da monografia. São elas a matrícula na Monografia I, a escolha do tema e a escolha do orientador. As duas próximas seções tratarão destes assuntos.

Matrícula
======

É importante que eu me manifeste em relação à intenção de cursar as disciplinas Monografia I e Monografia II? Caso sim, como devo proceder?

Sim, muito importante, e o aluno deve usar a pré-matrícula para manifestar sua intenção. Quando os alunos do curso de Física preenchem o formulário eletrônico semestral de pré-matrícula, eles estão sinalizando ao COLFIS sobre sua intenção em relação às disciplinas que pretendem cursar no semestre seguinte. Esta coleta de dados é de inestimável valor tanto para o COLFIS quanto para o DFIS em termos de subsídio para o planejamento da futura oferta de disciplinas. Neste processo estão incluídas as disciplinas Monografia I e Monografia II. É com base no resultado da pré-matrícula que o COLFIS define o número de vagas para essas disciplinas no semestre seguinte.

Quando devo me matricular nas disciplinas Monografia I e Monografia II?

Se você é aluno do Bacharelado, deve se matricular na Monografia I preferencialmente quando chegar ao 7º período, e na Monografia II no período seguinte. Os alunos da Licenciatura deverão fazê-lo preferencialmente no 9º e 10º períodos, respectivamente.

Existem pré-requisitos para essas disciplinas?

Sim. No caso do Bacharelado, a Monografia I possui como pré-requisito a disciplina Mecânica Quântica I (FIS09944) e no da Licenciatura a Física Moderna II (FIS10530). A Monografia II possui como pré-requisito a Monografia I, tanto para o Bacharelado quanto para a Licenciatura.

Como é feita a matrícula na Monografia I e Monografia II?

Da mesma forma como é feita a matrícula em qualquer outra disciplina, ou seja, no Portal do Aluno, durante o período de matrícula.

Escolha do tema e do orientador
====================

O que devo escolher primeiro, o tema ou o orientador?

Não há ordem preferencial nessa escolha. Mas uma coisa é certa. A livre escolha de um tema implicará na restrição da escolha do orientador, enquanto que a livre escolha do orientador fatalmente restringirá a variedade do tema.

Na prática, o que seria melhor escolher primeiro, o tema ou o orientador?

Isso irá depender de cada um. O aluno que já possui algum tipo de vínculo consolidado com um professor (monitoria, estágio, iniciação científica, etc.) tenderá a escolher primeiro o orientador para depois entrar em acordo sobre o tema. Já o aluno que não possui esse tipo de vínculo terá grande liberdade na escolha do tema, ou seja, poderá escolher o tema de sua monografia puramente com base na satisfação que terá em desenvolvê-lo. Feito isso, deverá procurar um professor que possa orientá-lo.

Posso escolher qualquer orientador para minha monografia?

Em princípio sim. Mas, eventualmente, o orientador escolhido pode não estar disponível.

Como assim, pode não estar disponível?

Cada professor pode orientar simultaneamente até quatro alunos. Portanto, se o professor que você escolheu para orientar sua monografia já tem esse número de orientandos, ele não estará disponível para você. Neste caso, o Coordenador da Comissão de Monografia poderá lhe ajudar a encontrar outro orientador.

É verdade que os professores com disponibilidade são obrigados a aceitar os alunos que os escolhem para orientar suas monografias?

Esta é uma pergunta delicada. Tecnicamente, a resposta é sim. Na prática, porém, as coisas podem ser um pouco diferentes. Isso porque pode haver algumas questões, objetivas ou subjetivas, que influenciam na definição do professor que irá orientar a monografia de um aluno.

Poderia dar um exemplo sobre essas tais questões?

Exemplo de questão objetiva: o professor pretende afastar-se do trabalho nos próximos semestres para pós-doutoramento, tratamento de saúde ou gôzo de licença de capacitação. Sendo assim, não haverá possibilidade desse professor orientar alunos no período de ausência. Exemplo de questão subjetiva: o professor pode alegar falta de familiaridade em relação ao tema escolhido pelo aluno. Também pode ocorrer de o professor sentir-se desconfortável em orientar alunos com os quais teve desavenças no passado.

E como o aluno fica nesses casos?

Antes de qualquer coisa, o aluno deve atentar para uma coisa importante. Mais do que um mero contrato científico, a relação entre orientador e orientando envolve convivência social. Querer forçar alguém a orientá-lo porque o regulamento assim determina não costuma trazer bons resultados. A melhor solução sempre será o acordo mútuo entre aluno e professor. Em casos como este, o aluno deve procurar o Coordenador da Comissão de Monografia, que poderá ajuda-lo a encaminhar este problema.

Somente professores do DFIS podem orientar monografias?

Não. O Regulamento da Monografia diz que todos os professores vinculados à UFES podem ser orientadores, sendo que deve ser dada total preferência aos professores de departamentos que ministrem disciplinas para o curso de Física.

E quais são os departamentos que ofertam disciplinas para o curso de Física?

Considerando-se as disciplinas obrigatórias e optativas, são os seguintes os departamentos que ofertam disciplinas para o curso de Física:

Bacharelado: 06 departamentos

Depto. Física (CCE) - 41 disciplinas

Depto. Matemática (CCE) - 07 disciplinas

Depto. de Informática (CT) - 02 disciplinas

Depto. de Química (CCE) - 01 disciplina

Depto. de Estatística (CCE) - 01 disciplina

Depto. de Linguagens, Cultura e Educação (CE) - 01 disciplina

Licenciatura: 11 departamentos

Depto. Física (CCE) - 48 disciplinas

Depto. de Teorias do Ensino e Práticas Educacionais (CE) - 10 disciplinas

Depto. Matemática (CCE) - 07 disciplinas

Depto. de Educação, Política e Sociedade (CE) - 02 disciplinas

Depto. de Informática (CT) - 02 disciplinas

Depto. de Filosofia (CCHN) - 01 disciplina

Depto. de Química (CCE) - 01 disciplina

Depto. de Estatística (CCE) - 01 disciplina

Depto. de Linguagens, Cultura e Educação (CE) - 01 disciplina

Depto. de Psicologia (CCHN) - 01 disciplina

Depto. de Ciências Sociais (CCHN) - 01 disciplina

Nota: Para saber o nome das disciplinas do curso de Física ofertadas por cada um dos departamentos acima clique aqui.

A escolha do tema e do orientador deve ser feita antes ou depois da matrícula na Monografia I?

Melhor seria que essas escolhas pudessem ser feitas antes da matrícula. Mas isso nem sempre é possível. Assim, pode ocorrer que alguns alunos iniciem o período letivo ainda sem definição do tema, do orientador ou de ambos. Nesses casos, a escolha do orientador e do tema não deverá se arrastar por mais de duas semanas de aula.

Após a definição do orientador e do tema da monografia, há alguma obrigação burocrática que devo seguir?

Sim. Após a definição do orientador e do tema da monografia o aluno deverá encaminhar uma Proposta de Trabalho à Comissão de Monografia. Este assunto será abordado com mais detalhes na seção "Disciplina Monografia I".

Fiz a Monografia I com um professor que não gostei. Posso trocar por outro na Monografia II?

O que posso dizer é que trocar de orientador é possível, mas altamente indesejável. A troca de orientador ao longo da confecção da monografia pode prejudicar muito a evolução do trabalho.

Primeiros passos
==========

A monografia que vou escrever deve ser sobre o que?

Para começar, o termo "monografia" significa escrever sobre um assunto específico. De acordo com o regulamento da monografia (Art. 3º), esse assunto específico "versará sobre tema relacionado aos conteúdos do Curso de Física, considerado relevante e passível de ser desenvolvido em nível de graduação, dentro da carga horária estabelecida para sua elaboração.".

Pode traduzir isso em miúdos?

Sim, claro. Vou tentar ser bem didático usando um exemplo que vai do geral para o específico. Primeiro temos as grandes áreas da Física que são objeto de estudo na graduação: Mecânica Clássica, Física Ondulatória, Termodinâmica, Eletromagnetismo, Mecânica Quântica e Relatividade. Suponha que a área de sua preferência seja a Mecânica Clássica. Pois bem, dentro da Mecânica Clássica, temos como subáreas a Estática, a Cinemática e a Dinâmica, sendo que estas podem ser estudadas por meio de três formulações distintas, que são a mecânica newtoniana, a lagrangeana e a hamiltoniana. Vamos supor que você pretenda trabalhar com Gravitação numa abordagem hamiltoniana. Isso seria ótimo. Agora só falta definir o assunto específico. Vamos admitir que você tenha vontade de desenvolver o tema “ciclo de vida dos cometas”. Excelente! Agora você já possui um possível tema para sua monografia.

No exemplo acima, eu escolhi o tema considerando apenas as coisas que eu mais gosto na Física e sem ter falado com ninguém. Isso pode ser um problema na hora de arranjar um orientador?

Na verdade, pode. O aluno deve lembrar que cada professor, não só do Departamento de Física (DFIS), como de toda a universidade, possui alguma especialidade que foi adquirida ao longo de muitos anos de pós-graduação. Os professores que desenvolvem pesquisas costumam se reunir em grupos de pesquisa, de acordo com suas especialidades. No DFIS, temos bons grupos de pesquisa, que desenvolvem trabalhos nas seguintes linhas: Física Aplicada, Física Computacional, Física da Matéria Condensada, Física das Interações Fundamentais* e Ensino de Física**. Se você deseja que seu orientador seja um dos professores que desenvolvem pesquisa no DFIS, o tema escolhido para a monografia deve estar relacionado com uma dessas linhas de pesquisa. No exemplo da questão anterior, o tema "Ciclo de vida dos cometas" está relacionado à linha de pesquisa "Física das Interações Fundamentais", que contém o projeto "Gravitação e Cosmologia". Portanto, algum professor que trabalhe nesse projeto poderia ser um potencial orientador de sua monografia.

* Para detalhamento das linhas de pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Física, clique aqui (escolha o botão "Pesquisa" na barra superior).

** Para detalhamento das linhas de pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física, clique aqui.

Não dá para fazer um resumo único sobre os assuntos preferenciais de cada professor do DFIS em relação à orientação das monografias?

Sim e isso já está feito. Já faz algum tempo que o COLFIS compilou os assuntos preferenciais de cada professor e organizou-os numa tabela.

Disciplina Monografia I
==============

Qual é o objetivo da disciplina Monografia I?

A disciplina Monografia I tem como objetivo a elaboração do projeto de monografia do aluno. Este projeto será a base para a composição da monografia propriamente dita, que será escrita na disciplina Monografia II.

Existe uma sequência preferencial de procedimentos na Monografia I?

Sim. Com a finalidade de organizar e operacionalizar a execução dos trabalhos envolvidos na Monografia I, o Núcleo Docente Estruturante do curso de Física definiu a seguinte sequência de eventos, que deverá ajudar o aluno na composição de seu projeto de monografia.

(a) Semanas 1 e 2: Definir o orientador e a escolha do tema da monografia* e, com estas informações, elaborar uma Proposta de Trabalho que deverá ser enviada  à Comissão de Monografia até o final da 2ª semana do semestre letivo. As características gerais e o formato da Proposta de Trabalho estão definidos no modelo (docx - doc) elaborado pelo NDE.

(b) Semana 3: Com a ajuda do orientador, organizar um cronograma de trabalho, com definição explícita e detalhada das tarefas de todas as etapas do trabalho do semestre, sendo cada tarefa devidamente associada à respectiva data prevista para sua conclusão. O orientador deve fazer coincidir essas datas com as reuniões regulares de orientação.

(c) Semanas 4 a 6: Fazer uma revisão bibliográfica preliminar, de caráter exploratório, para definir os limites da abordagem do tema. Nessa revisão, sugere-se que o aluno colete de três a cinco artigos científicos, preferencialmente artigos de revisão, publicados nos últimos cinco anos. Após fazer leitura cuidadosa, o que certamente irá consumir vários dias, o aluno irá relatar por escrito ao orientador o que foi apreendido em suas leituras, dando especial destaque aos variados aspectos do tema escolhido. Esse texto deverá ser concluído com uma proposta sucinta de abordagem do tema em sua monografia.

(d) Semana 7: Escrever o Resumo do tema e enviá-lo à Comissão de Monografia para avaliação. As características gerais e o formato do Resumo estão definidos no modelo (docx - docelaborado pelo NDE.

(e) Semanas 8 a 10: Fazer nova revisão bibliográfica, mais abrangente que a anterior, para a sondagem do tema (que deverá ter sido aprovado pela Comissão de Monografia na semana anterior). Nesta etapa, sugere-se que o aluno colete entre cinco e dez referências bibliográficas, as mais diversas e abrangentes possíveis, e as leia com toda a atenção. Devem ser construídos esquemas, quadros, resumos, etc., para melhor associar as ideias, os conceitos e o que mais for apreendido. O aluno irá levar para seu orientador a síntese de tudo que leu, acompanhada de uma proposta detalhada de abordagem do tema para a escrita do texto final da monografia.

(f) Semanas 11 e 12: Escrever uma versão preliminar de seu projeto de monografia, que deve ser enviada para a Comissão de Monografia ao final deste período. As características gerais e o formato do Projeto Preliminar de Monografia estão definidos no modelo (docx - docelaborado pelo NDE.

(g) Semanas 13 a 16: Uma vez obtido o sinal verde da Comissão de Monografia em relação ao projeto preliminar, escrever a versão final de seu projeto de monografia, que deverá ser enviada para a Comissão de Monografia ao final deste período. As características gerais e o formato do Projeto de Monografia estão definidos no modelo (docx - docelaborado pelo NDE.

* Veja a pergunta “Escolha do tema e do orientador”, mais acima.

Achei a resposta à pergunta anterior um pouco longa demais. Poderia fazer um resumo de tudo isso?

Sim. O quadro abaixo é um resumo de todas as etapas a serem cumpridas na Monografia I. Os itens assinalados com OB são obrigatórios.

Semana

Etapa

Modelos

1
2

- Escolher tema e orientador da monografia.
- Enviar “Proposta de Trabalho” à Comissão de Monografia. (OB)

Proposta de Trabalho

(docx - doc)

3

- Preparar cronograma de trabalho.

-

4
5
6

- Fazer revisão bibliográfica preliminar exploratória.

-

7

- Escrever resumo sobre o tema escolhido.
- Enviar o resumo à Comissão de Monografia. (OB)

Resumo

(docx - doc)

8
9
10

- Fazer revisão bibliográfica para sondagem do tema.

-

11
12

- Escrever a versão preliminar do projeto de monografia.
- Enviar a versão preliminar do projeto para a Comissão de Monografia. (OB)

Projeto Preliminar de Monografia

(docx - doc)

13
14
15
16

- Escrever a versão final do projeto de monografia
- Enviar o projeto para a Comissão de Monografia. (OB)

Projeto de Monografia

(docx - doc)

Como é feita a avaliação na disciplina Monografia I?

A avaliação da Monografia I ocorre em três momentos. O primeiro momento consiste na avaliação do resumo enviado à Comissão de Monografia ao final da 7ª semana do período letivo. Os membros da CM irão julgar se o tema e a abordagem escolhidos estão de acordo com o Regulamento da Monografia. O segundo momento é a avaliação do projeto preliminar da monografia. Nessa fase, a CM julgará se a escrita do projeto está de acordo com as normas da literatura científica e se há consistência geral na composição do projeto. No terceiro e último momento o projeto será avaliado pela comissão de monografia e pelo professor orientador, na presença do aluno. O aluno deverá estar presente à avaliação e poderá ser questionado pelos avaliadores. Com o objetivo dar conhecimento ao aluno sobre os itens que são avaliados no terceiro momento, que define a nota final, fica disponível para consulta a Ficha de Avaliação da Disciplina Monografia 1 (docx - doc)

Quando devo defender o projeto de monografia na disciplina Monografia I?

A data da defesa do projeto de monografia é definida em acordo mútuo entre a Comissão de Monografia e os professores orientadores e deve ocorrer antes do final do período letivo. Isto decorre da necessidade da nota dessa disciplina ser lançada no SIE junto com as demais disciplinas cursadas pelo aluno. A data escolhida costuma ocorrer na última semana de aulas, antes do período de provas finais.

Disciplina Monografia II
===============

Qual é o objetivo da disciplina Monografia II?

A disciplina Monografia II tem como objetivo a elaboração da monografia propriamente dita, baseada e consistente com o projeto aprovado na disciplina Monografia I.

Quais são as etapas da Monografia II?

A Monografia II compreende a revisão bibliográfica aprofundada, a leitura dos artigos selecionados na revisão, a discussão permanente com o orientador e a escrita da monografia propriamente dita. Ao final do período letivo, o aluno deverá entregar a versão final da monografia ao orientador e fazer uma apresentação oral em sessão pública, perante uma banca de especialistas da área do trabalho.

Nas recomendações dadas para a elaboração do projeto de monografia há duas revisões bibliográficas. O que há de diferente na revisão citada na pergunta anterior?

Na Monografia II, a revisão bibliográfica deve ser ampla, diversa e atualizada. Deve ser complementada com a leitura de artigos de jornais e revistas que contenham notícias sobre aplicações recentes de tecnologias relacionadas ao tema. Vídeos de caráter científico também ajudam muito. O aluno deverá dispender algumas semanas para ler, compreender e correlacionar tudo isso. Espera-se que a imersão no tema, provoque no aluno a emergência de uma visão própria sobre o assunto. Que dê a ele a capacidade de emitir opiniões pessoais e de construir novas associações. A escrita da monografia deve traduzir a compreensão sobre o tema adquirida nesse processo.

Há algum documento digital que sirva de modelo para a escrita da monografia?

Sim. Um modelo no formato Microsoft Word foi elaborado pela Comissão de Monografia e está disponível no site do COLFIS. [ Acesse aqui ]

Como é feita a avaliação na Monografia II?

A versão final da monografia deverá ser apresentada oralmente pelo aluno perante uma banca examinadora composta pelo professor orientador e dois outros professores membros. A avaliação consiste em atribuir notas de 0,0 a 10,0 aos seguintes quesitos: (a) desenvolvimento (peso 2), (b) versão definitiva escrita (peso 6) e (c) apresentação oral (peso 2). Será considerado aprovado o aluno que obtiver média superior ou igual a 5,0.

Quando devo defender a monografia na disciplina Monografia II ?

A data da defesa da monografia propriamente dita é definida em acordo mútuo entre o professor orientador e os membros da banca avaliadora, sem a interferência da Comissão de Monografia e deve ocorrer antes do término do período letivo. Isto decorre da necessidade da nota dessa disciplina ser lançada no SIE junto com as demais disciplinas cursadas pelo aluno. A data escolhida costuma ocorrer na última semana de aulas, antes do período de provas finais.

Após efetuadas as correções na minha monografia, preciso envia-la para alguém?

Sim. Após realizadas todas as correções solicitadas pela banca examinadora, o aluno deverá encaminhar uma cópia digital no formato PDF para o coordenador da Comissão de Monografia. Este, por sua vez, irá providenciar a publicação da monografia na página "Monografias Concluídas" do site da Física.

Monografia e pesquisa
==============

Qual é a diferença entre monografia e pesquisa científica?

Monografia e pesquisa são duas coisas bem distintas. A monografia consiste no desenvolvimento de um tema conhecido, baseado em leituras diversas, e na apresentação de um texto que reflete sua compreensão e visão pessoal sobre o assunto. A pesquisa científica, por sua vez, utiliza métodos próprios e sistematização com o objetivo expandir as fronteiras do conhecimento humano. Ou seja, enquanto o produto da monografia é um texto que traz a síntese da compreensão sobre um determinado tema, o produto da pesquisa é um conhecimento inédito.

Posso usar a monografia para realizar pesquisa científica?

Não. Dadas as diferenças explicitadas na resposta anterior, a realização de pesquisa científica no âmbito da monografia é incompatível.

Faço (ou fiz) iniciação científica com um professor, que também irá orientar minha monografia. É possível utilizar resultados da pesquisa feita na IC em minha monografia?

Sim, e há uma forma indicada de fazer isso. Primeiro, o tema da monografia deve estar relacionado com a pesquisa feita na IC. Segundo, os resultados da pesquisa poderão ser incluídos na monografia como ilustração de aplicações da parte teórica exposta.

Monografia e plágio
============

As “Perguntas mais frequentes” desta seção foram reproduzidas e/ou adaptadas de algumas partes do documento intitulado “Informe da Vice-Reitoria Acadêmica: Plágio e Direito do Autor no Universo Acadêmico”, da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ). As citações do texto original foram suprimidas para proporcionar mais clareza aos estudantes.

O que é plágio?

De forma geral, o plágio é a cópia fiel e não autorizada da obra de outra pessoa −seja ela artística, literária ou científica. Mas não é só isso. Também é considerado plágio a apropriação indevida da produção de outrem mascarada por um modo distinto de escrever ou pela versão para outro idioma, entre várias possibilidades.

Quais as formas de plágio?

Existem pelo menos três tipos de plágio. (a) Integral: cópia de um trabalho inteiro, sem citar a fonte; (b) Parcial: colagem resultante da seleção de parágrafos ou frases de um ou diversos autores, sem menção às obras; (c) Conceitual: utilização da essência da obra do autor expressa de forma distinta da original.

As ideias são protegidas por direito autoral?

Não. As ideias são de livre circulação. Entretanto, a materialização em qualquer meio, físico ou virtual, de uma obra com base nas ideias é passível de proteção.

Para a elaboração de um trabalho acadêmico, é possível consultar livros, trabalhos anteriores, publicações, Internet sem cometer o plágio?

Sim, desde que se utilize a informação como base para o trabalho, citando a fonte e o autor, e se elabore, a partir da consulta, uma concepção nova sobre o tema ou a solução para um problema.

O trabalho escrito de uma monografia, tese ou dissertação admite mais de um autor?

Não. O trabalho escrito resultante do processo criativo objeto de monografia, tese ou dissertação só pode ter um único autor, o aluno, garantindo que ele faça jus ao grau para o qual o trabalho é pré-requisito.

E o processo criativo técnico ou científico, do qual resultam as invenções, admite coautoria?

Sim. As criações intelectuais em que as teses ou dissertações se apoiam, em sua maioria, fazem parte de um contínuo de pesquisa e desenvolvimento, podendo ter mais de um criador – como o orientador e seus diversos alunos, por exemplo. O direito dos criadores é protegido por meio de patentes, modelos de utilidade, entre outras formas. A todos deve ser dado o crédito correspondente à participação na propriedade intelectual gerada.

O professor orientador tem direito de escrever e publicar artigos sobre o mesmo tema de teses ou dissertações de seus orientados?

Sim. O fato de ele ser o orientador torna implícito que domina o tema e que suas pesquisas na área antecedem os trabalhos dos alunos. Em seus artigos, o orientador pode, inclusive, citar os trabalhos de seus orientados, logicamente concedendo os devidos créditos.

Revisão bibliográfica
=============

O que é uma pesquisa bibliográfica? *

A pesquisa bibliográfica abrange a leitura, análise e interpretação de livros, periódicos, e outros documentos. Todo material recolhido deve ser submetido a uma triagem, a partir da qual é possível estabelecer um plano de leitura. Trata-se de uma leitura atenta e sistemática que se faz acompanhar de anotações e fichamentos que, eventualmente, poderão servir à fundamentação teórica do estudo. Por tudo isso, a pesquisa bibliográfica deve ser uma rotina tanto na vida profissional de professores e pesquisadores, quanto na dos estudantes. Isso porque a pesquisa bibliográfica tem por objetivo conhecer as diferentes contribuições científicas disponíveis sobre determinado tema. Ela dá suporte a todas as fases de qualquer tipo de pesquisa, uma vez que auxilia na definição do problema, na determinação dos objetivos, na construção de hipóteses, na fundamentação da justificativa da escolha do tema e na elaboração do relatório final.

* Adaptado da Wikipedia.

Posso fazer a pesquisa bibliográfica usando o Google?

Esta é uma pergunta da maior relevância. O buscador do Google é um instrumento poderoso que nos permite filtrar e localizar informações específicas nesse emaranhado gigantesco que é a internet. Hoje é possível encontrar informações sobre praticamente tudo, especialmente sobre o assunto que o aluno escolheu como tema para sua monografia. O problema com as informações selecionadas pelo buscador do Google é sua confiabilidade. Na internet, todo mundo pode escrever o que bem lhe der na cabeça. Até textos que parecem sérios podem conter erros conceituais graves. Para fins científicos, as fontes bibliográficas devem ser confiáveis.

E como faço para distinguir o que é confiável do que não é?

Para ser considerado confiável, um trabalho científico deve passar pelo escrutínio de seus pares antes de tornar-se público. É o que chamamos de revisão por pares, arbitragem ou referagem. Na prática, funciona da seguinte forma. Ao concluir um trabalho de cunho científico ou apenas uma ou mais etapas de um projeto maior, o pesquisador deve comunicar seus resultados à comunidade científica. Para isso, o pesquisador deve submetê-lo à publicação num periódico científico nacional ou internacional. Ao receber o trabalho, o editor do periódico imediatamente o envia para dois ou mais pesquisadores da mesma área de conhecimento de que trata o artigo para que possam analisá-lo e emitir um parecer técnico. Estes são chamados de árbitros ou referees. Com base nos pareceres dos árbitros, o editor pode recusá-lo, sugerir alterações ou aceitá-lo para publicação. Assim, tudo o que é publicado em periódicos científicos tem confiabilidade muito maior do que o que está por aí espalhado pela internet afora.

O livros científicos também passam por processo de arbitragem?

Neste caso, tudo irá depender das finalidades do livro, da confiabilidade do autor e da própria editora. Como regra geral, eu diria que as editoras que se aventuram a publicar livros científicos sabem como são exigentes as pessoas desse meio. Ao publicar asneiras com verniz de ciência, uma editora pode adquirir fama de não ser confiável e ser condenada a não vender seus livros. Portanto, as exigências do mercado acabam obrigando essas editoras a contratar revisores para que seus livros sejam bem aceitos no meio científico. Além disso, há revistas e sites especializados em promover revisão de livros após sua publicação. Isso faz com que haja preocupação ainda maior das editoras antes de lançarem novas obras.

Onde então devo fazer minha pesquisa bibliográfica?

Atualmente, o local mais indicado para começar uma pesquisa bibliográfica é a base de periódicos da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - Capes. O aluno pode acessar os chamados "periódicos Capes" no endereço http://www.periodicos.capes.gov.br/. Mas o aluno deve lembrar que, dependendo da natureza do trabalho de monografia, o orientador poderá sugerir uma estratégia diferente para a pesquisa bibliográfica.

Transparência Pública
Acesso à informação

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910